CONSULTOR MÉDICO DO HOSPITAL POLICLIN                                                                               022

 

Menopausa

 

Introdução

A Menopausa se inicia quando não há mais nenhum folículo no ovário (onde é produzido o óvulo) e a mulher já não tem menstruação (períodos menstruais). A Menopausa é confirmada quando as menstruações estiverem ausentes por mais de um ano. Este período da vida de fato começa com o último dia do último período menstrual, mas é normalmente difícil se saber qual o período será o último até que vários meses se passem.

Embora a maioria das mulheres passe pela menopausa  próximo da idade de 51 anos, um número pequeno experimentará a menopausa na idade de 40 anos, ou acima dos cinqüenta. Em raras ocasiões, a menopausa não acontece até os 60 anos de idade. Quando diagnosticada antes dos 40 anos é considerada anormal ou prematura.

Os sintomas da menopausa começam com a interrupção da produção de óvulos, também conhecida como folículos, o ovário começa a encolher e os níveis de estrogênio (hormônio sexual feminino) vão diminuindo. Os níveis de ambos os hormônios sexuais femininos, o estrogênio e a progesterona, começam a cair com a diminuição do número de folículos. Os sintomas da menopausa são principalmente o resultado dos níveis baixos de estrogênio.

Geralmente, com a queda dos níveis dos hormônios, o padrão de hemorragia menstrual da mulher fica irregular. Muitas passam meses sem ter fluxo ou algumas vezes precisam também enfrentar períodos escassos ou atrasados, durante mais ou menos um ano, antes que sua menstruação se interrompa completamente. Algumas mulheres podem experimentar hemorragia acima do normal. É importante perceber que enquanto a menopausa não atingir um nível estável de escassez, desaparecimento ou ainda não estiver completa, a mulher pode ficar grávida.

A Peri-menopausa, também conhecida como climatério, representa o período antes da menopausa, quando mudanças hormonais e biológicas, bem como sintomas físicos, começam a acontecer. Este período dura em média de três a cinco anos.

Quadro Clínico

Enquanto algumas mulheres experimentam poucos ou nenhum sintoma na menopausa, outras desenvolvem sintomas perturbadores e até mesmo severos e incapacitantes. Estudos no mundo todo sugerem que diferenças no estilo de vida, dieta e atividades físicas podem ter papel importante na severidade e tipo de sintomas experimentados pelas mulheres durante a menopausa. Pode-se notar sintomas durante vários meses ou anos antes do último período menstrual acontecer e a menopausa começar.

Os sintomas da menopausa e peri-menopausa incluem:

·       Flashes de calor (fogachos). Um fogacho é uma sensação descrita como “de repente se sentir quente”, corada e desconfortável. Os fogachos se iniciam rapidamente e se espalham por todo o corpo e geralmente duram de alguns segundos à alguns minutos. Eles são causados pelas mudanças nos vasos sanguíneos de modo que eles relaxam e se contraem, e acredita-se que estejam relacionados às mudanças nos níveis de estrogênio da mulher.

·       Secura vaginal. As secreções da vagina diminuem com a queda nos níveis de estrogênio. O revestimento celular da vagina fica gradualmente mais fino e vai perdendo a elasticidade. Estas mudanças podem levar a um incômodo ou dor durante a relação sexual (dispareunia). Estas mudanças também podem conduzir à inflamação vaginal conhecida como vaginite atrófica, infecções fúngicas vaginais (micoses) ou ainda ao crescimento bacteriano.

·       Desordens do sono. O sono é freqüentemente interrompido pelos fogachos (flashes noturnos). Uma falta crônica de sono pode conduzir a alterações do humor e a sintomas que podem ser confundidos com depressão. Nas mulheres a pré-disposição a ter uma depressão é geralmente de 1,5 a três vezes maior que nos homens. No entanto, vários estudos demonstraram que a menopausa não aumenta o risco de depressão.

·       Irritabilidade. Algumas mulheres relatam mudanças emocionais, incluindo irritabilidade e depressão. A irritabilidade geralmente é causada pela perda do sono que é o resultado dos fogachos.  E o risco de depressão não é aumentado pela menopausa sozinha, mas em geral está associado às mudanças de vida que a acompanham. É correto dizer que a menopausa aumenta a probabilidade de depressão que já vinha se desenvolvendo, mas também é importante destacar que várias mulheres não se sentem mais irritáveis e acham os anos pós-menopausa o melhor período de suas vidas.

·       Osteoporose. É uma condição caracterizada pela rarefação dos ossos, aumentando o risco de fraturas, especialmente nos quadris, no fêmur ou na coluna. As mulheres que passam pela menopausa têm um risco aumentado de osteoporose por causa dos níveis decrescentes de estrogênio, o risco é maior para as mulheres magras e brancas. Medidas para prevenir a osteoporose, incluindo dieta rica em cálcio e exercícios, devem ser adotadas bem antes do início da menopausa. Isto é porque as mulheres começam a perder massa óssea já na idade de 30 anos e as  fraturas, que são o resultado da osteoporose, não acontecem antes de 10 a 15 anos depois da menopausa. Nunca é muito tarde para desenvolver hábitos saudáveis, mas começar cedo na vida faz uma grande diferença. A osteoporose é a principal causa de inaptidão em mulheres mais velhas. Calcula-se que a osteoporose cause mais de 1.5 milhões de fraturas a cada ano e 10 a 20% das mulheres morrerão de complicações destas fraturas. As principais complicações destas fraturas incluem coágulos sanguíneos (trombose) nos pulmões, derrame e infecção séria. Algumas mulheres tornam-se incapacitadas pelas fraturas de coluna ou de quadril e ficam o resto de suas vidas acamadas ou em casas de repouso.

·       Doença cardiovascular. A princípio, as mulheres na menopausa têm taxas mais baixas de ataque do coração e derrame cerebral que os homens. Porém, após a menopausa a taxa de doença cardiovascular em mulheres continua subindo e se iguala a dos homens depois da idade de 65 anos.

Diagnóstico

Quando seus períodos menstruais ficarem irregulares, escassos ou mais volumosos, seu ginecologista precisará determinar primeiro se você está grávida. Se não, então um exame de sangue para dosar os níveis de hormônio folículo-estimulante (FSH) pode ser solicitado. O FSH normalmente sobe a níveis mais altos durante a menopausa, e também permanece alto depois disso. Os níveis de FSH altos podem ajudar a estabelecer ou confirmar se a menopausa está acontecendo.

Outros exames indicados incluem a medida da pressão sanguínea, níveis de colesterol e a função da tiróide (T3, T4 e TSH no sangue). Também podem ser solicitados uma mamografia e um teste de PAPANICOLAU.

Durante a menopausa, alguns médicos recomendam também dosar a densidade dos ossos (DENSITOMETRIA ÓSSEA), e tratam as mulheres que têm osteoporose ou estão com risco elevado de fratura. Porém, críticos desta prática mostram que os resultados dos exames podem ser inexatos e não se correlacionam bem com o desenvolvimento das fraturas. Por causa desta controvérsia, eles recomendam que deveriam ser tratadas as mulheres que estão com risco de osteoporose independente dos resultados dos testes de densidade óssea.

Outro teste não recomendado habitualmente é a biópsia endometrial. Uma biópsia endometrial é um procedimento de consultório no qual um pedaço minúsculo de tecido endometrial (revestimento interno do útero) é tirado e examinado sob microscópio para evidenciar sinais de câncer. Este teste pode ser executado quando a causa da hemorragia irregular for suspeita e não se tem certeza para atribui-la à menopausa.

Prevenção

A menopausa é um evento natural e não pode ser prevenida. Medicamentos, dieta e exercícios físicos podem prevenir ou podem aliviar alguns sintomas da menopausa, e podem aumentar sua qualidade de vida à medida que você envelhece.

Tratamento

Mudanças no estilo de vida

Dieta, exercícios e mudanças de estilo de vida podem reduzir os sintomas e complicações da menopausa. Você pode:

·       Abster-se de fumar. Fumar está associado com uma incidência aumentada de osteoporose e fraturas de quadril. Fumar também aumenta os riscos de ataque do coração e derrame cerebral, problemas que seriamente incapacitam ou prematuramente acabam com a vida de mulheres na pós-menopausa.

·       Limite a ingesta de cafeína. A elevada ingesta de cafeína, mais de três xícaras de café por dia, pode agravar os flashes de calor e pode contribuir para a osteoporose.

·       Exercícios Físicos. Os exercícios podem prover amplos benefícios, incluindo:

o      Redução da pressão sanguínea, do risco de ataque do coração e derrame

o      Alivia os flashes de calor em algumas mulheres

o      Previne a osteoporose e as fraturas

Exercite-se para prevenir ossos fracos e finos com exercícios adequados ao seu peso, como caminhar, fazer aeróbica de baixo-impacto, dança, levantamento de pesos ou a prática de esportes como o tênis e o squash. O exercício não precisa ser vigoroso para ser eficiente. Caminhar alguns quilômetros por dia ajuda a manter a massa óssea.

·       Tome luz solar e Vitamina D. A vitamina D ajuda seu corpo a absorver cálcio adequado da comida. Você pode adquirir boa quantidade de vitamina D expondo-se ao sol diariamente por alguns minutos.

·       Cálcio. As mulheres deveriam adquirir diariamente entre 800 a 1500 miligramas de cálcio. Fontes boas de cálcio incluem:

o      Legumes verdes escuros (menos espinafre que contém oxalatos que reduz a absorção de cálcio). Uma xícara de rabanete fresco picado provê 197 miligramas de cálcio e o brócolis provê 94 miligramas.

o      Produtos Laticínios. Uma xícara de leite provê aproximadamente 300 miligramas de cálcio, e uma xícara de iogurte, 372 miligramas. O queijo é outra boa fonte. Uma fatia de queijo suíço rende 272 miligramas de cálcio.

o      Sardinhas e salmão. Quatro porções de sardinhas ou salmão provêem 429 miligramas e 239 miligramas de cálcio respectivamente.

o      Legumes. Uma xícara de feijão provê 127 miligramas de cálcio.

Terapia com medicamentos

Vários medicamentos são usados para tratar os sintomas da menopausa. O tratamento mais comum é a terapia de reposição hormonal (TRH), também chamada terapia de reposição de estrogênio (TRE). Esta terapia envolve a tomada de estrogênio com ou sem hormônios de progesterona para substituir a perda de hormônios naturais depois da menopausa.

A TRH envolve a tomada de quantidades pequenas de estrogênio, com ou sem a combinação de estrogênio e progesterona, em uma base regular para  controlar ou aliviar problemas relacionados à menopausa. O Estrogênio pode ser prescrito sozinho quando a paciente já não tiver seu útero. E a combinação de hormônios é usada quando ela ainda tiver seu útero. A Progesterona é necessária para equilibrar o efeito do estrogênio no útero e prevenir mudanças que podem conduzir ao câncer uterino.

Razões para se usar estrogênio incluem:

·       Osteoporose. O Estrogênio é prescrito durante e depois da menopausa principalmente para proteger os ossos em desenvolvimento e diminuir o risco de fraturas. O risco de fratura permanece baixo contanto que a mulher continue usando estrogênio. Os ossos começarão a afinar e a enfraquecer com o passar do tempo, uma vez que a mulher deixe de usar estrogênio.

·       Fogachos, irritabilidade e perturbações do sono. A terapia com o estrogênio alivia dramaticamente os fogachos, e reduz as perturbações do sono causadas pelos fogachos. O sono melhorado leva a melhora do humor e diminuiu a irritabilidade.

·       Secura vaginal, irritação vaginal e inflamação. A terapia com estrogênio melhora rapidamente e restabelece as secreções  reduzindo a irritação e inflamação vaginais.

Até recentemente se pensava que o estrogênio reduzia a incidência de ataques do coração e derrame cerebral em mulheres na pós-menopausa, mas recentes tentativas clínicas lançaram dúvidas sobre aquela teoria. Esta pesquisa mostra que as mulheres na verdade podem ter mais risco de ataque do coração e podem ter derrame cerebral durante o primeiro ano de terapia de estrogênio. Este efeito não parece persistir além do primeiro ano de terapia de estrogênio.

Mulheres que ainda têm o útero e em uso de estrogênio deveriam estar atentas pois elas poderão ter hemorragia semelhante a um ciclo menstrual regular. Você deve falar com seu ginecologista sobre qualquer hemorragia que você tenha.

Mulheres que têm os problemas seguintes não devem tomar estrogênio:

·       Hemorragia vaginal inexplicada,

·       Doença do fígado crônica ou ativa,

·       Câncer de Mama,

·       Câncer endometrial,

·       Trombose recente (coágulos sanguíneos).

Além disso, mulheres com dores de cabeça tipo enxaqueca, cálculos de vesícula, pressão alta ou endometriose podem não ser as candidatas ideais para terapia com estrogênio. Se você tiver estes problemas, você deve discutir o assunto com seu ginecologista.

Alguns assuntos que cercam os riscos de terapia de estrogênio permanecem controversos. Os pesquisadores estão estudando o efeito de estrogênio em:

·       Câncer de mama,

·       Câncer endometrial,

·       Câncer ovariano,

·       Doença de coração e derrame cerebral,

·       Doença de Alzheimer.

Outros medicamentos prescritos para tratar os sintomas de menopausa incluem:

·       A Calcitonina (Calcimar â e outros). Este hormônio é produzido pelas glândulas paratireóides e conserva o cálcio. Uma forma de spray nasal desta droga é usada para ajudar a prevenir a perda de osso em mulheres com este risco. Este medicamento não reduzirá os flashes de calor ou a secura vaginal, e não afetará a relação do HDL colesterol  com o LDL colesterol.

·       Etidronato (Didronel â) e o Alendronato (Fosamax â). Estas combinações sintéticas são usadas para ajudar a prevenir a perda de osso quando as vitaminas e os suplementos de cálcio não tiveram êxito. Estes medicamentos só afetam a densidade do osso e não outros sintomas da menopausa.

·       Calcitriol â. Este suplemento dietético é uma forma metabolicamente ativa da vitamina D que aumenta a absorção de cálcio. Pode ajudar a manter a densidade do osso, mas não afetará outros sintomas da menopausa.

Foram propostos vários tratamentos alternativos para tratar os sintomas da menopausa. Estudos científicos não acharam nenhum benefício no uso de vitamina E ou óleo de prímula. Nenhuma evidência foi achada para apoiar o uso da acupuntura, ervas ou homeopatia, mas poucos estudos destas terapias foram concluídos.

Qual Médico Procurar?

Você deve procurar seu ginecologista se você tiver qualquer das seguintes condições:

·       Períodos que se repetem em menos que 21 dias

·       Períodos que duram muito mais que sete dias

·       Períodos que têm hemorragia intensa

·       Sangramento entre os períodos.

Prognóstico

Muitas mulheres acham os anos de sua pós-menopausa muito produtivos, tranqüilos e recompensadores. Embora os sintomas da menopausa possam causar problemas intermitentes, mudanças no estilo de vida e os medicamentos podem ajudar a aliviar estes sintomas e complicações.

__________________________________

Publicado por

 Informedicals Policlin

 

DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA MÉDICA – HOSPITAL POLICLIN

 

Contatos

 

Editor: Dr. Mario César Prudente Leite